quarta-feira, 14 de julho de 2010

Conto - Dando uma mãozinha (uma foto)

Minha esposa adora tocar uma punheta

Minha eposa é realmente uma mulher bonita. Loira com tez bem clara e muito safada. Tem 35 anos e é madura de corpo e principalmente cabeça. Desde que casamos ela sempre demonstrou muita curiosidade sobre sexo e eu sempre tentava acompanhar o seu ritmo. Uma coisa que eu percebia que ela sempre queria mais era masturbar meu pênis. Ela gostava de pegar, sentir o membro, ficar analisando como funcionava aquele órgão erétil e que no começo do nosso casamento era cheio de mistérios para ela. Ela se esforçava muito e também muitas vezes conseguia fazer com que meu pau subisse e gozasse só com a estimulação manual. Ela já sabia a pressão, velocidade e como pegar no meu membro e cada vez mais se sentia desafiada em me punhetar e fazer gozar no menor tempo possível. Ela até brincava: - "Vamos ver quanto tempo meu maridinho aguenta hoje...". Sempre vinha com novidades. Usava óleos e certa vez chegou a usar um pincel gordo com cerdas rígidas fazendo com que eu gozasse em poucos minutos, segurando o meu pau pela base e acariciando todo o resto com o pincel. Ela se excitava muito com este jogo e não raro também se masturbava e gozava junto. Na hora do gozo percebia-se sua cara de felicidade como se tivesse conquistado mais um troféu. Sua criatividade não tinha limites e ela passou a escolher lugares cada vez mais inesperados para a nossa prática. No carro (em movimento), no cinema, em ônibus de turismo. Ela sempre começava passando a mão na minha coxa, subia até meu pau, que já ficava duro só de pensar sua mão segurando ele, e punhetava sempre aumentando o ritmo dos movimentos até eu gozar. As vezes gostava de cronometrar e adorava cada recorde que 'batia' (junto com a punheta...risos). Aos poucos ela foi perdendo o interesse no assunto, pois a diversão costumava acabar em poucos segundos, tamanha sua prática e dediação ao assunto. Então resolvi bolar um plano. Contratei um acompanhante cujas características eram ser bem dotado, e demorar para gozar. A hora que o cara passou as dimensões do membro eu achei que estivesse mentindo, só para pegar o trabalho, mas...o cara era realmente muito bem dotado. Na hora de negociar eu ainda combinei com ele: você vai em tal cinê pornô, a tal horas e minha mulher vai estar na fileira tal, usando roupa tal. Se depois de 10 minutos de punheta você não gozar, eu te pago dobrado! O cara aceitou na hora e disse que iria ser "moleza"?!
Depois de uns dias fazendo a cabeça da minha mulher, fui ao cinema e horário combinados e ela estava toda entusiasmada com a ideia de me punhetar em um cinema pornô.
Eu sugeri que ela fosse com um vestidinho curto e estampado de oncinha que ela colocava quando queria fazer o papel de putinha no nosso quarto. Com aquele vestidinho seria fácil para ela tocar uma siririca. Ela ficou muito linda e cheirosa e fomos ao cinema. Sentamos e ela já foi colocando a mão direita na minha coxa. Meu pau já foi de cara subindo e até doía de tesão. Ela percebeu e ainda fez um charminho. Desta vez, sabendo do meu tesão,  esperou um pouco mais para ir alisando meu caralho e dois minutos depois eu já estava com a calça aberta e ela me punhetando gostoso. As vezes parava e me deixava louco com aquilo. Não deu sete minutos e eu já estava esporrando feito um animal na mão dela. Ela limpou a mão no vestido e fez menção em levantar para ir embora. Eu disse no seu ouvido para ela ficar mais um pouco. Ela aceitou numa boa e depois de uns minutos chega o rapaz que eu havia contratado e senta do lado dela. Ela ficou meio sem jeito. Olhava para ele, olhava para mim...e eu achando que o pau do cara já tava duro em baixo da calça jeans, sussurrei no ouvido da minha esposinha:-"Quer bater uma pra ele também?" Ela ficou meio sem graça e perguntou toda ingênua:-"Posso, amor?". Eu abaixei a minha cabeça em anuência e ela já foi metendo a mão na coxa grossa no rapaz. O volume da calça do cara foi crescendo....foi crescendo... foi crescendo. Meu queixo caiu pois a calça parecia que havia dobrado de tamanho. Em certo momento ele tira a jaqueta abre o cinto, arria a calça jeans sentando em cima de sua jaqueta. Eu não acreditei no que via. O cara tinha um pau que era uma verdadeira tora negra. Nunca tinha visto um pau daqueles, nem em filme porno. Aí minha esposa se empolgou para valer e pegou na base do pau do cara. A mão dela quase não fechava de tão grosso que era o membro dele. Ela então começou a punhetar o cara ao mesmo tempo em que começou a bater uma siririca enquanto gemia baixinho. Não deu cinco minutos o pau do cara começa a espirrar porra para tudo o que é lado. Acho que ele nunca havia agozado tão rápido em toda a sua vida profissional e eu fiquei feliz pois não teria que pagar dobrado para o cara. Na sequencia minha esposa acabou batendo punheta mais uma vez para ele e para mais uns quatro homens que se sentaram ao seu lado naquela tarde. Sempre tentando bater seus próprios recordes. Até mesmo um coroa que sentou ao seu lado e que achei que fosse demorar para gozar, não "suportou" por mais de nove minutos até esporrar na mão dela. Eu nunca vou esquecer a primeira vez que vi minha esposinha tocando punheta para outros machos na minha frente e do tesão que ela sentiu naquela tarde fazendo o que mais gosta.

3 comentários:

  1. adoro isso. Quero muito fazer com minha esposa.

    fabioluca2010@hotmail.com

    natal/rn

    eu pegaria e chuparia

    ResponderExcluir
  2. ronaldomordomia@hotmail.com.....eu deixo chupar

    ResponderExcluir