sexta-feira, 30 de julho de 2010

Conto - O Primeiro Negro da Minha Esposa Geniosa (10 fotos)

Eu sempre tive vontade de ver Regina com um negro. Já estava casado com ela há 4 anos e nossa vida sexual era bem ativa, mas a cada dia esta tara de me tornar corno foi aumentando com o passar do tempo até me decidir que seria um corno de verdade.


Eu tive que viajar a serviço e quando voltei, achei Regina um pouco distante. Não parecia mais aquela mulher fogosa que havia deixado antes de viajar.

Regina adorava usar roupas sensuais e salto alto. Eu também adorava ver ela toda gostosa só para mim e comprava roupas sempre ousadas para ela. Uma vez dei de presente em nosso terceiro aniversário de casamento, um conjunto bem sexy de fio dental e uma espécie de top semi transparente. Ela ficou uma delícia e ainda por cima foi até o armário e escolheu o salto alto que ela mais gostava só para se exibir para mim. Eu não aguentei, peguei a máquina e fotografei ela na cama. Que delícia.




Mas quando voltei de viajem fiquei desconfiado de algo. E fui dar uma busca no nosso computador. Eu fique surpreso de achar, além desta foto que mencionei, e que eu nem sabia que ela possuía uma cópia, uma outra foto de um cara gozando na foto dela. Ela devia ter mandado a foto, o cara imprimiu e melou toda a foto dela e mandou de volta via internet.







quarta-feira, 28 de julho de 2010

Legging, Calça de Lycra, Spandex, Suplex - Informação e sacanagem (52 fotos)

Você sabe o que quer dizer leggings? Se conhece um pouco de inglês sabe que leg, em inglês, quer dizer perna. Quando aplicamos este termo a moda, as Leggings podem ser definidas como um tipo de roupa bem justa usada para cobrir as pernas.







Também são conhecidas como calças de lycra ou spandex e suplex nos EUA. Originalmente eram duas meias que íam do quadril até os tornozelos usados desde o séc.XIV. Nos dias de hoje elas são como uma calça super justa e que se molda ao corpo, podendo ser usada como peça de baixo ou mesmo sem nenhuma outra roupa que a encubra.











Compostas de nylon e lycra, eram muito usadas nas décadas de 80 para se fazer exercícios e dançar. Esta moda pegou e acabou parando nas ruas.
















terça-feira, 27 de julho de 2010

Conto - Dois casais para um negão (30 fotos)

Meu nome é Marcos, sou casado com Kelly. A Kelly tem 26 e eu 30 anos. Sempre tive vontade de ser corno, mas a Kelly sentia um pouco de vergonha de transar com outro cara na minha frente. A Kelly é uma delícia de mulher. Como é novinha ainda está com tudo durinho, os peitinhos, as pernas musculosas e ela gosta de se cuidar bastante.

Sempre frequentei as salas de bate-papo com assuntos de corno. Foi numa destas que conhecia o Carlos que era casado assim como eu. Descobrimos que tínhamos muitas afinidades. Carlos é casado com a Amanda que tem 22 anos e um ar angelical (só aparências...risos). Tanto eu quanto o Carlos temos o pau pequeno, tínhamos desejos de ser corno e nossas esposas são muito gostosas e com muito tesão.

Fiquei amigo de Carlos que me apresentou ao DJ, que também frequentava as salas de bate-papo de corno. DJ era um negro típico brasileiro, sarado, muito liberal e com um bom papo. Ele conquistava todo mundo com sua lábia. E ficávamos os três conversando pela internet horas a fio.

DJ adorava contar suas aventuras e dizia que a única fantasia que não tinha realizado ainda era comer duas esposinhas na frente de dois corninhos.









Sempre que nos encontrávamos na net, DJ contava alguma aventura que ele tinha passado. Uma que deixou os dois corninhos com muito tesão foi a que ele disse que tinha comido duas esposinhas juntas. As duas meio gordinhas, mas muito safadas.E as duas casadas de aliança e tudo! Ele sentia muito tesão quando uma judava a outra e se sentia o rei da cocada preta. Elas eram amigas e falavam pros maridos que íam passear, mas ficavam passeando na Rola do DJ a tarde toda, e a noite chegavam em casa cansadas!



Ele também contou que teve uma época que ele precisa de dinheiro, e conheceu uma garota de programa, uma tal de Carmem. A Carmem, dizia ele, era muito safada, bem peituda com silicone, e agenciava programas para ele com casadas. Como a Carmem era bisexual, ela também tirava umas lasquinhas das casadinhas endinheiradas. E ensinava, como ela mesmo dizia, todos os passos para uma mulher ser feliz com um negão...Desde pegar a pica até fazer sexo anal. Ela adorava dominar, e tinha esposa que dava carro e apartamento só para fazer um programa com a Carmem e o DJ. Ela tinha transformado muitas socialites em verdadeiras putas com a ajuda de DJ.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Depoimento - Meu Marido e a Reforma da Casa de Praia - (com fotos)

Oi. Eu sou Natália, tenho 26 anos e sou casada com Cláudio há mais ou menos um ano. Eu já tive vários namorados antes do Cláudio e me sinto uma garota realizada sexualmente, pois sempre realizei todas as fantasias que tinha tido até então.


O Cláudio recentemente resolveu comprar um apartamento no litoral, porque ele sabe que gosto muito de praia. Como eu tenho um corpo bonito, adorava colocar meu bikininho e sair para tomar sol na praia. Sempre que ficava na praia podia perceber que era bastante cobiçada pelos olhares masculinos. Eu sei que modéstia a parte sou muito gostosa. Logo depois da adolescência, pude notar que a minha bunda e coxas se desenvolveram bastante e me tornaram o que os homens por aí chamam de "cavala". O Cláudio ficava com ciúmes, mas no fundo eu sabia que ele gostava, pois toda vez que ía compra um bikine novo ela sempre acabava escolhendo o menorzinho...risos. O último que comprei para ir nesta temporada na praia, foi um branco que ficava bem encaixado na minha bunda. Eu me sinto muito gostosa com ele. Todo mundo sempre comentou que eu tenho um belo rabo e eu tentava valorizar ele, sempre usando saltos e fazendo ginástica para os glúteos. Toda essa atenção que eu dava a minha bunda acabou fazendo com que eu ficasse viciada em sexo anal. Eu adorava fazer com o Cláudio pois ele tem um pau pequeno, no tamanho certo para se transar por tráz, e cheguei a fazer com quase todos os meus ex-namorados. Eu já tinha muita experiência no sexo anal e praticava sem lubrificantes. Não sentia a menor dor, só prazer. Adorava sentir a pica toda dentro do meu rabo e sabia que isso deixa qualquer homem maluco. Além do que eu sabia que com sexo anal não existia a possibilidade de engravidar.

Eu sou muito ativa sexualmente e uma coisa estava me incomodando muito nas últimas semanas. Era alta temporada na praia, eu sempre indo tomar sol, vendo aquele monte de homens lindos, levando cantadas e o Cláudio só se preocupava com a reforma da nossa cozinha!

Ele mal ficava em casa, procurando os materiais, os pedreiros e estas coisas da reforma. E eu tava louca pra transar, mas ele estava super preocupado com a reforma.

Eu fiquei meio puta com a situação: como ele podia deixar uma mulher gostosa como eu, sedenta por sexo sem dar uma trepadinha por semanas só por causa de uma droga de uma cozinha?

Eu estava desesperada e todo o dia quando voltava da praia, tomava um banho gelado para ver se passava o tesão e ía comer num restaurante por kilo perto do apartamento.

Num destes dias, encontrei neste restaurante o Júlio. Ele era vizinho do mesmo prédio em que eu morava, e eu o conhecia de vista. Era casado e um pedaço de mal caminho...risos. Eu achava ele um gato. Alto, forte, não muito malhado mas um cara gostoso, daqueles que a mulherada comenta quando vê. E ainda por cima ele era muito simpático. Ele estava vestindo uma camiseta e um shorts, dava para ver aquele coxão musculoso e eu como sempre tinha curiosidade para saber como era a ferramente dele...

O Júlio perguntou se podia sentar comigo, pois a mulher dele estava com a sogra dele e as crianças na cidade. Na hora eu não achei que iria rolar alguma coisa. Eu não queria trair o Cláudio e pensava que o Júlio fosse um cara 'sério', mas...

Conversa vai, conversa vem, eu contei da reforma dos FUNDOS para ele. Ele riu meio sacana e perguntou como eram os meus fundos. Eu fui entrando no clima e falando que era bem APERTADINHO, mas com jeitinho dava para COLOCAR MUITO COISA LÁ DENTRO. O safado falou que era bom, e que no caso de precisar dar uma PINTADA ele estava a disposição. Aí eu brinquei que o meu marido já estava há um tempão querendo dar uma pintada, mas que eu só via ele ameaçando com BROXA na mão.



O papo estava animado e eu estava com meu bikininho branco e a canga. Dei uma cruzada de perna e fiquei esfregando meu pezinho naquela coxa de macho, meio que sem querer, só para ver a reação dele. Eu dei uma olhada no seu shorts e a barraquinha tava toda armada risos. Aí não deu para segurar mais e falei se ele não queria dar uma olhada na minha COZINHA.

Vou confessar que fiquei meio constrangida de passar na portaria com aquele homem ao meu lado e com medo de ficar falado no prédio por causa do porteiro, mas não podia perder aquela chance!

Assim que entramos na sala, ele já foi me beijando e tirando a minha canga. Eu estava adorando, mas não queria parecer muito oferecida. Fugi para a cozinha e disse que o Cláudio podia chegar a qualquer momento, que eu tinha vergonha... (isso eu já tinha perdido completamente...risos). Encostei na pia da cozinha e empinei a bunda para ele, só para mostrar as minhas reais intenções. Ele chegou por tras e tirou o shorts e foi pegando pela alcinha do bikine e puxando para baixo como se estivesse desembrulhando um presente. E que presente, não acham??? Eu fui gemendo e sentindo seu cacete roçando por tras. Ái eu disse que estava fértil. Ele falou para eu relaxar que ele ía comer só o meu cuzinho...Nem sabia se estava mesmo no período fértil, mas tava louca pra dar o rabinho pra ele.

Estava tão gostoso que eu nem me mexia, fiquei lá paradinha com o meu rabinho empinado e louca por pica, e contei uma mentirinha para ele: disse que meu cuzinho era virgem!

Ele levantou sua camisa e abriu meu rabo dando uma boa olhada e só gargalhou: -"Cuzinho virgem? Conta outra...risos"

Aquele jeito dele me deixava louca. Ele despertou a puta dentro de mim, daí eu empinei mais ainda a bundinha e pedi baixinho para ele foder o meu cuzinho. Ele ficava só me provocando, falando que aquele cú já tinha levado muita rola e que ele iria arromba mais ainda, e que eu era uma puta que dava pra qualquer um na rua.

Eu estava me sentindo mesmo uma puta e estava adorando. Só quem já deu assim sabe como é gostoso e o Júlio mandava muuuito bem no meu rabo. Ele sabia manejar bem o cacetão.

Eu fiquei um tempo só recebendo aquela rola gostosa e dando uma reboladinha de vez em quando só para provocar, mas chegou uma hora que eu não aguentei mais empurrei tudo pra tras me segurando na pia da cozinha e sentindo as bolas dele baterem na minha bocetinha, e nós dois gozamos gostoso. Eu tentava não gritar, mas acho que metade do prédio escutou a gente fodendo. Nisso, nós ouvimos um carro na garagem chegando. Eu achei que era o Cláudio, aí nos limpamos rapidinho, eu dei um selinho nele e disse que ele poderia voltar a hora que quisesse para ajudar na reforma da casa.

Depoimento - O Diminuto Pênis do Meu Marido (com fotos)

Eu sou conhecida como D. Eulália e tenho 53 anos. Sou uma mulher de muito respeito e com uma filha de 31 anos já criada.

Meu marido, Roberto está casado comigo há 32 anos. Hoje ele tem 57 anos.

Como casei virgem, nunca tive referências de outros pênis. Conhecia somente o do meu marido que quando ereto mede apenas pouco mais de 5 centímetros.

Devo confessar que Roberto sempre foi muito romântico, e carinhoso, mas na realidade sempre achava que faltava alguma coisa em nossas relações sexuais.

Há pouco mais de 5 anos, quando pela primeira vez entrei na internet, uma amiga minha com a qual eu sempre frequentava o bingo e algumas vezes o cinema, mandou um e-mail para mim mostrando fotos de membros avantajados. Eu fiquei muito curiosa e abri as fotos. Nunca tinha visto nada igual. Eram membros muito superiores aos do meu marido, e embora eu contasse com 49 anos, aquelas fotos despertaram em mim muita curiosidade e um desejo por anos reprimido. Cheguei mesmo a me masturbar pensando o que poderia fazer com aquele falos enormes. Guardei as fotos escondidas e Roberto achou elas impressas em uma das minhas gavetas, no armário, por um acaso. Eu justifiquei que ele tinha o membro muito pequeno e que embora fosse muito carinhoso, eu precisava de um pênis vigoroso para me sentir uma mulher completa, ainda que com 53 anos de idade. Ele no início ficou triste, mas aos poucos foi aceitando o fato, até que um dia propôs que procurássemos um garoto de programa bem dotado. Como eu já estava há muito tempo treinando com frascos de desodorantes, cenouras, pepinos e outros objetos grossos, achei que seria a hora de experimentar algo real, e topei. Ele pagou para que eu pudesse pegar, sentir e fazer sexo oral durante por duas horas com o nosso michê. Enquanto eu me deliciava com o meu primeiro membro de verdade, o rapaz começou a humilhar o Roberto e depois ele me xingava de "coroa boqueteira" enquanto me 'obrigava' a chupar o seu enorme falo, embora para mim isto desse mais tesão ainda. Pouco depois do rapaz gozar,  Roberto ainda preencheu outro cheque para que eu pudesse ter relações sexuais com meu jovem garanhão por mais uma hora. O nosso michê ainda obrigou que Roberto trouxesse o cheque de joelhos e nú, e que pedisse para que eu fosse fodida pelo nosso garoto de programa. Roberto pediu timidamente e o michê mandou que ele repetisse em voz alta, e meu marido fez tudo o que foi ordenado. Eu fiquei chocada, mas Roberto parecia que gostava de ver sua esposa fazendo amor com outro, e eu também comecei a provocar meu marido, dizendo em tom autoritário, que ele era um corno de pau pequeno e que a senhora dele gostava de membros avantajados. O pobrezinho gozou na hora que falei isso...risos... Eu também tirei todo o meu atraso e nunca tive um orgasmo tão intenso em toda a minha vida aproveitando todo aquele membro bombando firme no meu sexo por vários minutos e abraçada com aquele jovem e insaciável garanhão.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

HQ erótica - esposa paga a conta do hospital

O corninho precisou operar, mas não tinha grana pra pagar. Como a esposa vai fazer para pagar??? Descubra abaixo.

Quer me ver nua? - (tire a roupa dela com o mouse!)

Oi! O meu namoradinho adora me fotografar nua. Quando a gente acampa ele sempre leva a máquina e tira umas fotos minhas e eu adoro. O que ele mais adora em mim é a minha xoxotinha com os pelinhos ruivos. Se você quizer conhecer ela é só passar o mouse em cima do meu corpo...




Click Me

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Conto - Minha Esposa no Churrasco (com fotos)


Todo mundo da minha rua sabia que eu era corno, menos eu.


Eu sou casado com Josilene, e me chamo Wandercleyson. Trabalho como porteiro. Desde pequeno sempre morei na mesma rua e me apaixonei por Josilene com quem me casei e tive quatro filhos, que hoje nem sei se são meus mesmo.

Todo mundo no bairro sempre falou da Josilene. Meus pais não queriam que eu casasse com ela, pois a fama dela na rua onde moramos desde que nascemos não era muito boa. Uns diziam que ela era a maior galinha do bairro, outros que ela era muito assanhadinha.

Mas o amor é assim mesmo e eu não me importava se o Cláudio, o Jeferson, o Juninho, o Borracha e o Buiú já tinham tido alguma coisa com ela.

Quando eu bebia no boteco da esquina, o pessoal sempre dava risadinha, comentava por tráz, e fazia piada. Diziam que ela já tinha dado até pra três ao mesmo tempo, mas eu não acreditava muito.

Eu desconfiava quando ela chegava picada de mosquito na nossa casa porque aqui perto tem um matagal que é conhecido como "motel dos pobre", onde o povo transa escondido no meio do mato e que é infestado de mosquitos, mas ela sempre me disse que nunca foi lá e que a picadura ela tinha tomado na rua mesmo...

Diz o ditado dos meus irmãos do norte que: "Todo castigo pra corno é pouco..." mas eu nunca fui castigado pela Josilene. Aquilo é um docinho de côco. Ela é toda melada e uma esposa muito carinhosa.

Teve uma época que a Josilene sempre comprava umas coisinhas a mais para nossa casa e disse que tava fazendo uns bicos. Ela saía de casa sempre cheirosa e voltava tarde da noite. Eu cuidava das crianças, da casa e ela coitadinha sempre chegava em casa bem tarde e muito cansada. Não sei como ela aguentava ficar o dia todo dando o duro e sem fazer amor com seu maridinho por meses a fio. Muitas vezes ela ía no forró no final de semana para se divertir um pouquinho, afinal ela também merecia se divertir um pouco, e eu ficava cuidando da gurizada em casa.

Nas tardes do fim de semana, aqui perto, sempre tinha o futebol no campinho. E Josilene adorava ir lá. Eu ficava em casa cuidando de terminar a laje do nosso barraco e ela voltava toda contente dizendo que ía só pro pessoal ver como a pelada ficava mais animada!

Depois de um tempo eu achei mesmo que Josilene estava me pondo chifres. Quando eu bebericava no boteco e conversava com meu melhor amigo, o Borracha, ele sempre me alertava:-"Abre o olho Wandercleyson...abre o olho.". Mas eu achava que era intriga do Borracha que tinha este apelido porque todo mundo dizia que o pau dele era grande, mais nunca subia. Os colegas do boteco até brincavam que ele era o único que não conseguiu comer a Josilene, só gozou na boquinha dela. Aquilo devia ser despeito. Eu acho que o povo da comunidade fala demais.

Só uma vez que eu briguei com a Josilene, porque eu quase peguei ela com o Buiú. Fiquei na dúvida se ela mentia. Mas ela me disse a verdade. O Buiú é um garoto negro magrinho, que mora na rua. Aquele moleque é bem folgado metido a mandão e tem fama de ser pé de mesa. A Josi foi fazer umas compras e demorou muito pra voltar. Como era meu dia de folga, eu fui no supermercado procurar ela, mas ela num tava lá. Quando passei no matagal, eu vi ela saindo da moita escura e ageitando a saia e o Buiú logo atrás fechando o zíper da calça. Ele me viu e ainda brincou:-"A Josilene perdeu o anel no matagal e eu tava ajudando a procurar...". Como sou franzino não respondi nada e fiquei quieto pensando que talvez eu fosse corno mesmo. Mas não me importava, porque eu amo a Josilene.

A noite conversei com Josilene, falei bem mansinho com ela:

- "Josi, minha cabritinha, você tá me traindo?"

- Oh Wandercleyson, meu amor, eu to trabalhando muito meu bichinho, tenho que cuidar das criança e do nosso barraco, as veiz me dá uma vontade de dar, entende? E você sabe, o buiú tem fama aqui no bairro de ter um pintão e eu quiz conferí, só isso. Eu fui lá e só dei uma espiadinha no pau dele. Eu te amo meu cabra frouxinho.

- Mais meu chuchuzinho, você não ía me trair né? Eu dou um duro danado no trabalho, lavo a louça, arrumo a casa e cuido das crianças...

- Eu sei meu galhudinho, mas a tua esposinha precisa se divertir também, e ocê bebe muita pinga e teu piruzinho num sobe mais...

- Mais Josi, e se eu tomar um remédio...

- Oh home! Vixe! Tu tá maluco? Tu sabe quanto custa o remédio? E não tem no posto de saude não, e ainda por cima, mesmo se tu tomá, num vai fazer muita diferença por que seu peruzinho é deste tamaninho assim, meu chifrudinho...

Enquanto ela falva isso mostrava o dedinho. Ela percebeu que eu fiquei triste, me deu um selinho na boca, foi tirando a roupa pra tomar banho e falou:

- Wandy, vai no boteco, bébe com teus amigos e relaxa, que neste fim de semana vai ter um churrasco na casa do Juninho e aí nós vai lá se divertir um pouco.

Eu ainda olhei pra calcinha dela que tava no chão, e resolvi investigar se ela tinha me contado a verdade mesmo. Eu tinha esperança de que ela, de curiosidade, tinha ido no matagal só pra ver o pinto do Buiú mesmo. Catei a calcinha preta dela do chão, passei o dedo e chupei aquela gosma. Pelo sabor e pelo cheiro que exalava eu sabia que aquilo só podia pertencer ao Buiú. E só me restou limpar a calcinha e ir pro tanque lavar as roupas da Josilene como eu sempre fazia. Enquanto isso ela tomava o banho e se preparava para dormir.



segunda-feira, 19 de julho de 2010

Comi a esposa dele no sítio e filmei (filme amador)

video
Eu estava numa festa de casamento em um sítio, no ano passado e sentei em uma mesa junto com um casal durante a festa. Conversamos muito, e percebi que a esposa do cara estava bem a vontade, me paquerando na frente do marido. Fiquei meio desconfiado da situação e fui entrando no clima para ver a reação do marido.

Logo saquei que o marido Roberto, não estava com ciúmes e a Fernanda sua esposa também não estava muito querendo esconder o desejo que ela estava sentido por mim. Eles estavam na faixa de uns 40 anos ela um pouco mais jovem que ele. Ele tinha cara de corno manso mesmo...risos. A gente percebe, não tem jeito. E ela era uma coroa bem gostosa. Mas quem é ricardão sabe que não importa a idade nem aparência. O importante é ser safada, e isso a Fernanda era com certeza.

Depois de muita cerveja e comida, veio aquela vontade de fuder no meio do mato. E eu até comentei com eles: -"Agora só falta uma bela mulher para fazer amor..."

O Roberto respondeu na lata, brincando, mas todo entusiasmado: -"Se você quiser a Fernandinha, ela é toda sua!"

E a Fernandinha, se fazendo de difícil: -"Que é isso meu amor? Eu não dou para qualquer um..." e depois de um silêncio ainda engatou... "mas hoje eu estou louquinha por homem de verdade" e riu de um jeito safado.

Eu fiquei na dúvida se chamava ela para sair, pegava o telefone, se convidava os dois para ir na minha casa, mas a Fernanda já veio com uma ideia e me convidou para "dar" uma voltinha no sítio.

O Roberto na hora gritou: -"NÃO!"...e depois de olhar a nossa cara de espanto, deu uma gargalhada e completou, falando baixinho:-"não esquece de levar a câmera para tirar umas fotos..."

A Fernanda então falou:-"Pode deixar meu bem."  E já foi me pegando pela mão e me puxando toda entusiasmada. Depois de andar uns 15 minutos ela foi me beijando, dizendo que eu era muito gostoso, que o marido dela era um frouxo e não dava no couro. Eu não me fiz de rogado e disse que ela era muito gostosa, que era um desperdício não ser fodida como ela merecia e que eu iria encher ela de porra.

Chegamos a um matagal onde dava para ficar bem escondido dos convidados e ela estava tão maluca que pediu para eu filmar! Eu disse que não iria conseguir foder ela e filmar ao mesmo tempo. Ela me sacaneou: pegou meu paletó, colocou no chão, abriu minha calça e começou a chupar minha benga dizendo que se eu não filmasse ela não iria liberar a bocetinha! Safada. O que mais me deu tesão nesta hora foi ver a cara que ela fez quando viu meu pau. Ela arregalou o olho e rindo disse:-"Será que vai entrar?". Eu disse que se ela chupasse bem entraria tudo e topei filmar...é claro!.

Depois que ela estava louca de tesão já foi ficando de quatro. Me deu a câmera e pediu para ser fodida. Ela disse que sempre quis ser uma estrela de filme pornô. Eu sorri e falei:-"Eu sei atuar, mas filmar...risos".

Daí ela levantou a saia, abaixou a calcinha vermelha e eu pude ver aquele bundão branco com uma deliciosa meia 7/8 preta que a esta altura do campeonato já estava meio rasgada de tanto a gente se ralar no mato. A xoxotinha depilada era maravilhosa, bem feitinha e eu sabia que iria transformar ela em uma xoxotona arrombada. Fiquei imaginando que na hora que a porra caísse daquela ex-xoxotinha, ela iria melar toda a calcinha e fiquei imaginando o maridinho corno vendo aquela calcinha melada quando chegassse em casa. Provavelmente o corninho iria assistir o filme, chupar a calcinha da mulher e a bocetinha dela junto.

Comecei a bombar gostoso na Fernanda e ela estava adorando, falando que era o maior pau que ela já havia transado. Eu gozei gostoso nela e depois de registrar a cachoeira de porra, devolvi a câmera com o nosso filme pornô caseiro e falando para ela que era um presente meu para o Roberto...

domingo, 18 de julho de 2010

O ex-namorado dela me deu uma 'porrada' de presente (uma foto)

Estava trabalhando duro aquele dia. Muito tenso pois o só faltavam algumas horas para vencer o prazo da licitação e eu ainda precisava terminar um relatório. Já estava de saco cheio há quase um mês nesta correria e acabei descuidando de Marta. Marta é minha esposa, tem 39 anos, um belo corpo com pele muito clara, cabelos castanhos claros e olhar meigo. Os seios são grandes, e já não eram tão empinados quando eu a conheci, pois ela amamentou por um bom tempo nas duas vezes que pariu, mas ainda tinham bicos lindos e que ficavam bem pontudos quando excitada. O fato de termos dois filhos contribuiu para que ela ficasse mais mulher e com formas mais opulentas. Sua bunda ficou particularmente deliciosa, como se fosse uma égua parideira. Eu diria que seu traseiro chega perto da perfeição e aquele belo raboé completado por um belo par de coxas grossas e brancas. Eu já havia gozado muito só de encoxar naquele bundão branco. Ela adorava empinar a anca e ficar rebolando no meu pau. Muitas vezes eu gozava em poucos minutos e ela desesperada para gozar, pedia para eu enfiar um consolo que tinha dado para ela de presente de casamento. Quando saia com ela sempre flagrava muita gente secando aquele rabão.

Eu sabia que Marta tinha uma tara especial. Ela antes de casar só havia namorado um cara. O Dudu. Eu até conheci o cara, pois ele era da mesma faculdade de Marta, onde muitas vezes ía para buscá-la. Eles ficaram juntos um tempão antes de eu começar a namorar Marta. Só que o Dudu conheceu uma coroa rica e acabou casando com ela, afinal ele era um garotão bonito, malhado e segundo Marta com uma qualidade muito particular, que acabou despertando uma nova tara em Marta... Ela sempre dizia que (além de bem dotado), o Dudu tinha um par de bagos de dar inveja a um touro e também disse, por entrelinhas que o cara gozava muito. Ela sempre ía soltando um pedacinho das histórias que ela teve com Dudu porque sabia que eu tinha tesão em ouvir elas. As vezes eu percebia que quando Marta não estava muito a fim de transar ela ficava me provocando com as histórias do seu ex namorado, e aí eu acabava gozando rapidinho livrando ela de usar a famosa desculpa da dor de cabeça. As vezes eu até pedia para ela contar as histórias com o Dudu, e eu nunca soube até que ponto as histórias eram verdadeiras ou ficção da cabeça dela. Ela preferia sempre contar as histórias que envolviam algo relacionado a fuidos seminais. Marta tinha um forte instinto maternal e acho que isso também tinha a ver com sua tara por porra!

Ela adorava beber, passar no corpo, ser completamente melada de porra e dizia que o Dudu era perfeito para isso. Engraçado que eu sempre achei que eu tivesse muita porra, pois chegava a ejacular duas a três colheres de sopa de caldo, mas mesmo assim, Marta dizia que era pouco, frente ao que saía do pau do Dudu!

Uma das histórias que me deu mais tesão, foi quando Marta contou certa vez que foram a um motel, num fim de semana e fizeram uma coisa bem diferente, segundo ela. Ela gostava de detalhar a história. Contava como tinha se arrumado, o que eles haviam jantado, as carícias que o Dudu fazia, os beijos e tudo mais. Chegando no motel, o Dudu disse que tinha uma surpresa para ela: não havia tocado no seu pau há uma semana. Ela sabia que o Dudu batia punheta todo dia para ela. Quando eles não conseguiam se encotrar para ir no motel ou transar no drive-in até no telefone ele gozava para ela, as vezes pela internet, outas sozinho mesmo e sempre relatava e até mesmo guardava a gala para mostrar depois... Ela adorava ser homenageada por ele, mas achou estranho uma semana sem ele falar nada sobre sexo ou masturbação. Mas tudo fazia parte do plano do seu ex.

Eu lembro que Marta quando contava as histórias ía se soltando, as vezes me chamava de corninho, de chifrudo, galhudo... Tudo meio brincando, mas eu acho que ela curtia este clima também. Ela gostava de se sentir poderosa, e continuava a sua história:

"Daí, quando a gente chegou no motel, ele mandou que eu ficasse pelada e me beijava toda, seu corninho. Ele tava todo vestido e eu sentia seu pinto duro na calça, que como você sabe é bemmmm maior que o seu...risos... E eu louca para saber quanto aquele pinto tinha acumulado de sêmen durante a semana, naqueles dois bagos gigantes. Depois ele tirou seu pau para fora e me colocou de joelhos para eu chupar. Começou me dando uma surra de pinto na cara e dizendo para eu chupar mais devagar pois não queria gozar na minha boca. E olha que minha carinha ficou vermelha de tanto castigo pois aquele pau sim dá vontade de sugar com força. E dizia que hoje eu não iria beber a porra direto do pau. Eu tava louca de curiosidade e perguntei como eu iria beber porra hoje, porque estava com tesão pelo leite dele. E o safado respondeu...do chão! Eu achei um negócio sem graça ele gozar no chão e eu ir lá e lamber como uma gatinha, mas ele explicou que o plano era outro. Que ele iria gozar na minha vagina, e depois o que caísse no chão eu iria ter que limpar. Eu fiquei louca de tesão com a ideia e cai na cama já na posição de frango assado escancarando minhas pernas para o meu namoradão. Ele arrancou sua roupa e veio pela frente e já foi escorregando o pau para dentro da minha bocetinha. Me fodeu gostoso porque eu tava completamente melada. Ele gozou rápido mas não tirou a pica. Eu continuei entalada nele e gemendo baixinho. Era uma delícia sentir aquela geba dentro de mim e o seu saco prensado nos meus grandes lábios. Percebi que aquilo deixou ele com tesão de novo e ele retomou os movimentos de foda. Depois de quase 30 minutos me bombando gozou de novo, e eu junto com ele. Aí ele mandou que eu me levantasse, segurasse no espaldar da cadeira de costas para ele e empinasse a bunda afastando bem as pernas. O esperma começou a pingar. Ficou um tempão escorrendo e pingando no chão. A hora que olhei para baixo não acreditei no que via: tinha uma poça enorme, do tamanho de um prato de comida. Ele nem precisou pedir, e eu fui logo de joelhos limpar todo aquele piso frio...! Como eu estava de quatro, lambendo o chão e com a bunda apontando para cima, ele começou a me dedilhar no clitóris e na boceta, e as vezes escorregava seus dedos na minha vagina ainda melada de porra até meter seu pintão novamente e me foder de quatro, fazendo eu gozar novamente, enquanto ele me chamava de vadia, puta, cadela, vaca bebedora de porra, e gozava pela terceira vez naquela noite."

Eu disse, com meu pau quase explodindo de tão duro, que não acreditava na história, e que se aquilo fosse possível eu mesmo limparia o chão. E ela me desafiou dizendo que um dia provaria para mim que era tudo verdade, provaria que é possível e ainda por cima faria de mim um corninho bem submisso!

Assim passaram-se meses e eu estava no escritório, muito tenso com a licitação, quando o telefone toca. Era a Marta dizendo que tinha uma surpresa. Eu olhando as planilhas no computador, dizia meio sem interresse...-"Fala amor...". E ela disse:-"O Dudu veio aqui hoje a tarde...te deixou uma coisa....vem logo".

Na hora entendi o recado e peguei as chaves do carro e saí correndo, dizendo que tinha uma emergência.

Chegando em casa, vi Marta deitada no sofá, vestida com uma calça e uma camiseta sem soutien. Ela estava com os cabelos despenteados e um ar de alegria incontida, me deu um beijo na boca e mandou sentar num pequeno sofá que ficava em frente a nossa mesa de madeira na sala de jantar. Ela foi caminhando de forma engraçada até a mesa, pois tentava andar sem abrir as pernas, e dizia que iria mostrar uma coisa para mim. Logo em seguida ela amarrou a camiseta nos seus seios fartos, como seu fosse um top, abaixou a calça preta e arriou a calcinha vermelha que eu havia dado para ela usar em nossas noites especias.

Eu olhava aquela bunda magistral e ela começou a afastar as pernas e rebolar. Eu olhei a calcinha no chão e só confirmei o que havia pensado pois ela estava completamente melada de porra. Ela dizia que o Dudu tinha passado lá, e ele estava muito carente pois a coroa dele não queira mais dar para ele há quase duas semanas e ela também estava por causa do meu excesso de trabalho. E continuo contando:-"Daí eu falei que ele poderia me comer, pois você é um corninho. Ele então sugeriu uma transa igual aquela do motel que te contei, só que desta vez eu iria deixar o meu corninho beber a porra, para ele nunca mais duvidar das coisas que a esposinha dele conta!"

Ao cair a primeira gota, fiquei com muito tesão e fui lamber, mas ela me recriminou e mandou eu voltar para o sofá. Daí começaram a cair mais gotas, e mais gotas. Não acabava mais de jorrar porra daquela bocetona. Eu nunca tinha visto nada igual na minha vida. Ela se virou e eu fui novamente chupar o chão só que desta vez ela mandou que eu chupasse a calcinha primeiro, e depois o chão. Fiz como ela mandou e estava tirando o pau parar punhetar e novamente ela mandou esperar. Depois que todo o chão estava limpo, eu estava de joelhos na sua frente e ela encaixou a boceta na minha cara, mandou eu chupá-la e autorizou que eu me masturbasse. Eu sentia o cheiro do pau do Dudu na boceta da minha esposa e imaginava que seus bagos gigantes deviam ter se esfregado muitas vezes nas coxas e boceta da minha esposa enqunato ele a fodia. Gozamos os dois frenteticamente, só que desta vez ainda tive que chupar a minha porra de castigo, que por sinal era em bem menor quantidade do que a que tinha sobrado da transa da Marta com o Dudu.

Eu perdi a licitação mas nunca mais duvidei das coisas que minha esposa conta.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Informação - Corno toma leite (26 fotos)

Se você é um corninho hétero ou bisexual, você pode ter momentos de prazer limpando a bocetinha da sua esposa logo depois que ela é fodida pelo ricardão.








O que? Beber a porra de outro homem? Você deve estar brincando...

Que nada! O assunto é sério. Beber a porra de outro macho é um dos fetiches mais antigos que envolvem o mundo dos cornos em toda a história da chifração.


Nem todos cornos praticam esta modalidade de fetiche, mas ela é muito popular e faz parte de estilo de vida de muitos casais.

Corninhos que já experimentaram a porra de um outro macho pingando da boceta de suas esposas ou namoradas sabem que isso pode ter um grande poder afrodisíaco.









Chupar a bocetinha de sua esposa depois de ela ser fodida por um comedor não faz de você um gay ou um bisexual. As vezes isto faz parte da relaçao de dominação e submissão entre as partes.

Se você não curte beber porra, tudo bem. Você pode se manter ocupado com uma série de outras ativides para corninhos. Leia o texto a seguir somente se você tem curiosidade em saber como é chupar uma bocetinha melada de porra do ricardão que acabou de foder sua esposa ou namorada.








Beber sêmen é gostoso?

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Conto - Dando uma mãozinha (uma foto)

Minha esposa adora tocar uma punheta

Minha eposa é realmente uma mulher bonita. Loira com tez bem clara e muito safada. Tem 35 anos e é madura de corpo e principalmente cabeça. Desde que casamos ela sempre demonstrou muita curiosidade sobre sexo e eu sempre tentava acompanhar o seu ritmo. Uma coisa que eu percebia que ela sempre queria mais era masturbar meu pênis. Ela gostava de pegar, sentir o membro, ficar analisando como funcionava aquele órgão erétil e que no começo do nosso casamento era cheio de mistérios para ela. Ela se esforçava muito e também muitas vezes conseguia fazer com que meu pau subisse e gozasse só com a estimulação manual. Ela já sabia a pressão, velocidade e como pegar no meu membro e cada vez mais se sentia desafiada em me punhetar e fazer gozar no menor tempo possível. Ela até brincava: - "Vamos ver quanto tempo meu maridinho aguenta hoje...". Sempre vinha com novidades. Usava óleos e certa vez chegou a usar um pincel gordo com cerdas rígidas fazendo com que eu gozasse em poucos minutos, segurando o meu pau pela base e acariciando todo o resto com o pincel. Ela se excitava muito com este jogo e não raro também se masturbava e gozava junto. Na hora do gozo percebia-se sua cara de felicidade como se tivesse conquistado mais um troféu. Sua criatividade não tinha limites e ela passou a escolher lugares cada vez mais inesperados para a nossa prática. No carro (em movimento), no cinema, em ônibus de turismo. Ela sempre começava passando a mão na minha coxa, subia até meu pau, que já ficava duro só de pensar sua mão segurando ele, e punhetava sempre aumentando o ritmo dos movimentos até eu gozar. As vezes gostava de cronometrar e adorava cada recorde que 'batia' (junto com a punheta...risos). Aos poucos ela foi perdendo o interesse no assunto, pois a diversão costumava acabar em poucos segundos, tamanha sua prática e dediação ao assunto. Então resolvi bolar um plano. Contratei um acompanhante cujas características eram ser bem dotado, e demorar para gozar. A hora que o cara passou as dimensões do membro eu achei que estivesse mentindo, só para pegar o trabalho, mas...o cara era realmente muito bem dotado. Na hora de negociar eu ainda combinei com ele: você vai em tal cinê pornô, a tal horas e minha mulher vai estar na fileira tal, usando roupa tal. Se depois de 10 minutos de punheta você não gozar, eu te pago dobrado! O cara aceitou na hora e disse que iria ser "moleza"?!
Depois de uns dias fazendo a cabeça da minha mulher, fui ao cinema e horário combinados e ela estava toda entusiasmada com a ideia de me punhetar em um cinema pornô.
Eu sugeri que ela fosse com um vestidinho curto e estampado de oncinha que ela colocava quando queria fazer o papel de putinha no nosso quarto. Com aquele vestidinho seria fácil para ela tocar uma siririca. Ela ficou muito linda e cheirosa e fomos ao cinema. Sentamos e ela já foi colocando a mão direita na minha coxa. Meu pau já foi de cara subindo e até doía de tesão. Ela percebeu e ainda fez um charminho. Desta vez, sabendo do meu tesão,  esperou um pouco mais para ir alisando meu caralho e dois minutos depois eu já estava com a calça aberta e ela me punhetando gostoso. As vezes parava e me deixava louco com aquilo. Não deu sete minutos e eu já estava esporrando feito um animal na mão dela. Ela limpou a mão no vestido e fez menção em levantar para ir embora. Eu disse no seu ouvido para ela ficar mais um pouco. Ela aceitou numa boa e depois de uns minutos chega o rapaz que eu havia contratado e senta do lado dela. Ela ficou meio sem jeito. Olhava para ele, olhava para mim...e eu achando que o pau do cara já tava duro em baixo da calça jeans, sussurrei no ouvido da minha esposinha:-"Quer bater uma pra ele também?" Ela ficou meio sem graça e perguntou toda ingênua:-"Posso, amor?". Eu abaixei a minha cabeça em anuência e ela já foi metendo a mão na coxa grossa no rapaz. O volume da calça do cara foi crescendo....foi crescendo... foi crescendo. Meu queixo caiu pois a calça parecia que havia dobrado de tamanho. Em certo momento ele tira a jaqueta abre o cinto, arria a calça jeans sentando em cima de sua jaqueta. Eu não acreditei no que via. O cara tinha um pau que era uma verdadeira tora negra. Nunca tinha visto um pau daqueles, nem em filme porno. Aí minha esposa se empolgou para valer e pegou na base do pau do cara. A mão dela quase não fechava de tão grosso que era o membro dele. Ela então começou a punhetar o cara ao mesmo tempo em que começou a bater uma siririca enquanto gemia baixinho. Não deu cinco minutos o pau do cara começa a espirrar porra para tudo o que é lado. Acho que ele nunca havia agozado tão rápido em toda a sua vida profissional e eu fiquei feliz pois não teria que pagar dobrado para o cara. Na sequencia minha esposa acabou batendo punheta mais uma vez para ele e para mais uns quatro homens que se sentaram ao seu lado naquela tarde. Sempre tentando bater seus próprios recordes. Até mesmo um coroa que sentou ao seu lado e que achei que fosse demorar para gozar, não "suportou" por mais de nove minutos até esporrar na mão dela. Eu nunca vou esquecer a primeira vez que vi minha esposinha tocando punheta para outros machos na minha frente e do tesão que ela sentiu naquela tarde fazendo o que mais gosta.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Fotonovela - Tio Genaro libera esposa para Jorginho (30 quadrinhos)


Tio Genaro já tem lá seus 50 anos e é casado com uma descendente de italianos. Eles moram no Bráz em São Paulo e contam com uma numerosa família. Lucrécia, esposa de Genaro embora coroa ainda tem muito tesão e foi em uma das visitas de seu sobrinho Jorginho (que ela não via há mais de 20 anos) que a coisa aconteceu...



Informação - Ela quer mais, mas eu to cansado... Cunilíngua! (4 fotos)

O que fazer quando sua esposinha está cheia de tesão, fodeu a noite toda com você e ainda quer mais rola? Neste caso não vai demorar muito para você receber seu primeiro par de chifres. Elas não aguentam muito tempo sem um pau de verdade para foder. Mas agora são duas horas da manhã, e sua piroca não sobe nem "a pau"...risos. Vai deixar ela passar vontade?

Não entre em pânico, talvez um bom banho, uma relaxada, tomar aquele viagra que você deixa escondido na gaveta possa resolver a situação. Mas se mesmo assim, nada do pau subir e ela desesperada por uma pica, com aquela bocetinha prontinha e meladinha para receber um cacete de verdade, você vai ter que tomar uma atitude. Mesmo se ela já estiver toda lambuzada de porra o jeito é cair de boca, ou melhor de língua. Cunilíngua (cunnilingus) é a prática de sexo oral em que o homem, com a boca, acaricia os genitais femininos. A maioria dos homens gosta desta atividade, mesmo os ricardões, ficando apenas alguns poucos longe dela. Um bom sexo oral na mulher requer mais do que prática, mas proximidade e carinho. Muitos homens ainda acreditam que o cunilíngua é um lamber frenético do clitóris, vagina e ânus, mas não é bem assim.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Fotonovela - A Fantasia da Esposa Ruivinha (10 quadrinhos)




Se sua esposa propusesse uma transa diferente, com um ricardão, você aceitaria???...

Informação - Corno ajudante (7 fotos)

Tem muito corno que gosta de ver para crer. Muitas vezes eles participam e incentivam a esposinha a transar com o ricardão. Tem muitos que até ajudam.

Como todo mundo tem que se divertir, que tal o ricardão ter a pica chupada com maestria por sua deliciosa esposinha? Pelo visto ela não está achando nada ruim chupar um pau de verdade. Enquanto isso você pode se divertir muito assitindo a cena.








Ver a esposa pagando um boquete sempre é gostoso para quem é corninho e para quem é comedor, sem falar das esposas que adoram ter uma enorme rola na boca. Segurar o pau do ricardão então é prazer dobrado. O ricardão vai se achar o todo poderoso e a esposinha vai se desinibir completamente porque sabe que tem total apoio do corninho. É como se o corninho dissesse: -Chupa meu amor, pode chupar que eu gosto...

Esposinha de camisola sentada no ricardão. Eu acho que esta camisolinha aí deve ter sido presente de casamanto do corno, e quem sabe o ricardão também. Este famoso "corninho-punheteiro" tem cara de quem gosta de limpar uma xaninha melada, não?

Eu sabia... olha ele aí de novo, além de lubrificar a bocetinha da esposinha ainda tá dando uma de "corno-chupa-rola". É um corno de sorte, porque além de ter uma esposa deliciosa, ela ainda dá uma força para ele chupar o pau do ricardão e a xaninha sendo fodida. Afinal que mulher não gosta de ter a bocetinha chupada enquanto tem um pau enfiado até as bolas? Esta daí merece camisola, sapato, jóia, carro, casa... e muitos ricardões.

Tem aquele corno mais light. Que sempre dá uma força nas horas mais "dificeis" da esposinha. Segurar a mão e dar palavaras de conforto sempre dão um auxílio quando o caminho é "longo" e a passagem estreita...

Também tem aquele corno mais discreto que não gosta de atrapalhar enquanto a esposa está ocupada. E pelo jeito está daí está bem ocupada coitadinha. Ela tem que aproveitar porque se depender do pau (pode-se chamar aquilo de pau?) do maridinho, vai passar fome... Se segura ricardãooooo.

E o que dizer daqueles cornos que gostam de beber direto da fonte? Nada mais gostoso para um corno. Olha só a bengona do ricardão e o estrago que fez na esposa. Além disso o cara goza pra caramba e o corno vai beber muita porra e depois deixar a bocetinha da esposa prontinha para outra (ou outro... risos). Aliás a boceta dela está tão arrombada que se bobear o corno vai passar a língua no útero.

domingo, 11 de julho de 2010

Informação - Elas preferem pau grande (18 fotos)

Mulher que gosta de transar gosta mesmo é de pau grande. Nem ainda vir com aquela história de que tamanho não é documento, porque quanto maior o pau mais elas gostam. Por isso que homem com pau pequeno acaba virando corno. Para aprender o seu lugar! Algumas fotos que comprovam a teoria.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Tipos de corno - Info - Risco de Engravidar (4 fotos)

Este estágio é o mais perigoso e com maiores riscos aos participantes. É quando o marido não está nem aí com o fato de a esposa ter um filho do ricardão e até sente tesão pela ideia. Existem diversas explicações para esta tara que passam pelos mais profundos porões e calabouços da cabeça de um sujeito que tem tesão neste tipo de coisa. É claro que o risco de uma DST aqui é eminente e o fato de saber quem é o pai depois que a criança nasce complica muito a história. Cada um sabe da sua tara. O importante é sempre fazer sexo seguro e saudável, usando camisinha (do lado certo e não como a esposinha da foto aí em baixo...risos), mesmo pulando o muro.


Corninho chupando a xana da esposinha e ricardão fodendo. Quem será o pai???

Gang-Bang ou sexo grupal - Info (uma foto)


Uma das modalidades cujas mulheres sempre fantasiam mas raramente realizam é o sexo com multiplos parceiros. Nesta modalidade a mulher transa com vários ricardões ao mesmo tempo e o maridão fica só observando a ação. O orgulho do marido é a felicidade da rapaziada que manda ver na esposinha dele até ela cansar. Também neste caso quanto mais, melhor (ver corno de pau pequeno).

swing ou troca de casais - Info (uma foto)


Tem muito corno que fica se camuflando com a prárica de swing. O swing é uma prática sexual onde existe a troca de casais. Não é como ter um casal mais um ricardão, mas serve de aperitivo para esta próxima etapa. O corninho uma hora acaba saindo do armário e pedindo para ter uma relação mais "fechada"?!...risos, conhecida como 'ménage a trois' ou seja sexo com três. Normalmente o corno se frustra quando a esposa pede mais UMA (mulher) na cama ao invés de mais UM (macho).

Esposa arrombada - Info (uma foto)


Bem...como você tem o pau pequeno, na primeira oportunidade que surgir de sua esposa transar com um pintão de verdade, ela vai se sentir deflorada. E tem muito ricardão que adora deixar aquele buraco bem aberto na boceta e no cuzinho da esposinha. O ricardão se orgulha, e ainda mostra para o corno o que um pau de verdade é capaz de fazer numa xoxota semi virgem e com pouco uso. Não é raro o ricardão fazer pela primeira vez o sexo anal com sua esposa que passou a vida toda te negando aquele anelzinho. Aquele cuzinho lindo e apertado que você viu com todas as pregas pela última vez, justo na primeria foda que ela teve com o ricardao. E o que é pior, na próxima tentativa de você fazer anal com ela, ela vai reclamar:-"Não amor, aí atras é só do ricardão..."

Corno Humilhado - Info (uma foto)



Quem nunca tomou um esporro da mulher? Pois é...tem muito cara aí que se faz de machão mas que entre quadro paredes adora ser humilhado pela amada. É o que se chama das esposas com perfil de DOMINATRIX, aquelas mulheres que fazem o cara de gato e sapato. Dão ordens e ainda por cima humilham o pobre corno manso. Alias, o termo "manso" vem justamente de aceitar e, no fundo no fundo, gostar de ter a cabeça enfeitada. Uma das técnicas mais hardcores (pesadas) é o strap on, onde a mulher coloca uma cinta com um consolo e...é isso aí! Outras envolvem a bisexulidade forçada. A mulher consegue transformar o maridão em uma menininha bem obediente.

SPH - Small Penis Humiliation - corno de pau pequeno - Info (3 fotos)

Se o cara tem o pau pequeno ou não funcionando muito bem, a chance de ele ser chifrado é quase 100%. Daí tem muitas alternativas. Tem o corno que fica batendo punheta (com pinça...risos), na frente da mulher fodendo um cara bem dotado, tem outros que só batem se a esposa permitir, e tem outros que acabam gozando com o pau mole mesmo.





Muitos adoram ter seus membros comparados com um pau de verdade só para aceitar o fato de que mulher gosta é mesmo de pau grande e ainda por cima ouvir sua esposinha falando com todas a letras: "Isso sim que é um pau de verdade, não esta minhoquinha que você tem aí no meio das pernas". Emfim, sabe aquela dica que o psicoterapeuta te deu de que não importa o tamanho do membro? Pode esquecer!
Pense da seguinte forma: se você é mulher e está ajoelhada na frente de duas bengas, uma gigante e a outra...risos...parecendo uma minhoquinha tímida que dá vontade de rir, eu pergunto:-Qual das duas você iria abocanhar e chupar até gozar?